terça-feira, 23 de junho de 2009

É isso aí! Vida que segue.


Eles se reencontraram dez anos depois num supermercado na zona norte da cidade. Estavam no setor de higiene pessoal. Ele colocava no carrinho uma embalagem de oito rolos de papel higiênico e ela segurava um pacote de absorvente. Ficaram ali um diante do outro. Tirando pelos poucos fios de cabelos grisalhos ele não havia mudado muito. Já ela havia feito pender as voluptuosas macãs do rosto, deixando as bochechas um pouco flácidas. Conversaram sobre o passado e o presente. Riram, lamentaram e se parabenizaram. Descobriram que estavam morando perto um do outro. Falaram sobre o bairro, daí para a política. Não falaram do futuro. Quando qualquer coisa remetia a isso faziam silêncio. Como se fazer planos fosse proibido. Se despediram quando iam para o caixa. Ela tinha menos de dez volumes e ele um carrinho cheio de compras. Ficaram entaladas algumas perguntas. Teria sido melhor assim. Trocaram olhares e sorrisos, cada um na sua fila. Ela preferiu não comentar mas contou três garrafas de vodka no carrinho dele. Ele também não disse nada mas gostaria de vê-la novamente.

Um comentário:

Cris Caetano disse...

Por que somos tão medrosos? Em casa, os dois bateram a cabeça na parede de arrependimento pelo que não foi dito.

Beijinhos