sexta-feira, 28 de agosto de 2009

"Agora me foge a palavra"


As palavras fugiram. Quando vi a folha estava em branco sem nem um traço. Debaixo da mesa encontrei o "passado", caído sob os meus pés. No banheiro, já se jogando dentro da privada, eu ignorei a "vergonha". A "constância" estava longe demais, atrás do sol que se punha, deixei pra lá, amanhã ela volta. Dentro do armário onde guardo livros e filmes achei o "universo", sem entender o que ele estava fazendo ali. Caminhando pelo corredor me abaixei e peguei a "ansiedade", sozinha e imóvel. A "sorte" caiu sobre a minha cabeça quando eu descia a escada, acho que ela deu azar. Grudada na TV da sala eu tirei, cuidadosamente pra não rasgar, a "futilidades". Me dirigi para a cozinha e quando pegava uma garrafa de água na geladeira me assustei com a "atitude" debaixo do pote de manteiga. Foi assim por algumas horas, recolhendo palavras fujonas que nem me lembrava de tê-las escrito. Está sendo assim por todo o dia, recolhendo sentimentos perdidos que nem lembrava de tê-los sentido. Também estão sendo assim os últimos anos, recolhendo vidas que nem sabia que tinha vivido.

Um comentário:

Cris Caetano disse...

Sinto-me como se vivesse tudo de uma vez só em 1 ano e pouquinho e sinto-me cansada...

Beijinhos